Por que a idade é o fator mais importante de risco do câncer colorretal?

21/09/2017

O câncer colorretal é o mais prevalente do aparelho digestivo. Um em cada 10 tumores diagnosticados é de origem colorretal, sendo considerado, em algumas regiões,  o segundo tipo de tumor sólido maligno mais frequente entre homens e mulheres, excetuado o câncer de pele. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), em 2016, foi registrado mais de 34 mil novos casos somente no Brasil.

As chances de uma pessoa desenvolver um câncer colorretal é de 5%, aproximadamente. No entanto, se descoberto precocemente, a taxa de sobrevida é de até 90%. A melhor forma de combater a doença continua sendo a prevenção, e por isso é importante estar atento aos sintomas e fatores de risco.

Câncer colorretal e a terceira idade

Quando uma pessoa envelhece, ela está mais suscetível a desenvolver esse tipo de câncer. Mais de 90% dos casos ocorrem em pessoas acima dos 50 anos. Isso porque o processo de envelhecimento está associado a diversas alterações celulares, que podem provocar o câncer.

Uma dieta pobre em fibras e rica em gordura parecem também constituir fatores de risco do câncer colorretal, bem como o tabagismo.

Por esses motivos, além de estimular pessoas acima dos 50 anos a criar hábitos saudáveis, como a prática de exercícios, a interrupção do tabagismo e uma alimentação saudável, os exames preventivos devem ser realizados periodicamente, pois as lesões precursoras do câncer colorretal costumam não apresentar sintomas. É importante lembrar que câncer colorretal costuma ser antecedido por pólipos colorretais, pequenas protuberâncias que aparecem na parede do cólon e reto que podem ser detectados e retirados durante a colonoscopia.

Incidência de câncer em jovens cresce mundialmente

Embora pessoas acima dos 50 anos ainda sejam o principal grupo de risco para o câncer colorretal, estudos mostram que jovens e pessoas de meia idade vêm apresentando a doença com maior frequência. Segundo pesquisa publicada no Journal of the National Cancer Institute, casos de pacientes entre 20 e 39 anos de idade crescem anualmente cerca de 2,4%, desde a década de 1980.

No Brasil, esse aumento também está sendo percebido entre os especialistas. Embora não haja uma confirmação sobre os motivos, as principais hipóteses estão relacionadas ao estilo de vida moderno. As pessoas são mais obesas e sedentárias, o que aumenta as chances do desenvolvimento da doença. Outro motivo é o aumento do consumo de alimentos processados, como salsichas e gorduras, sabidamente relacionadas ao desenvolvimento do câncer colorretal.

Para evitar complicações futuras, além de adotar um novo estilo de vida é fundamental estar atento aos sintomas e fatores que aumentam as chances de desenvolver um câncer colorretal. Os sintomas nem sempre surgem, principalmente nos mais velhos. No entanto, ao sinal deles é importante consultar um especialista:

  • Sangramento oculto ou aparente às evacuações
  • Alterações no funcionamento do intestino
  • Perda do apetite
  • Perda de peso que não seja motivada por dieta ou atividades físicas
  • Sensação de fraqueza

Por fim, é fundamental recordar que casos de câncer na família, pólipos e algumas síndromes genéticas (como a PAF e o HNPCC) também aumentam significativamente as chances de desenvolver a doença. Estes pacientes devem ser inseridos numa regular rotina de colonoscopias de rastreamento.

Com a colonoscopia, o médico poderá diagnosticar e retirar mesmo os pequenos pólipos, antes de chegarem ao estágio cancerígeno. Por isso, a consulta preventiva é uma das melhores formas de diminuir os riscos. Se você precisa uma videocolonoscopia, conte com a Colono. Nossa clínica possui equipamentos de última geração e uma equipe especializada, pronta para atendê-lo com conforto e segurança. Agende agora mesmo sua consulta online, pelo telefone 3345-0301 ou pelo WhatsApp 99963-8181.

Deixe uma resposta