Endoscopia digestiva alta: o que é e como é realizada?

19/06/2017

A endoscopia digestiva alta é um exame que tem como objetivo a visibilização e avaliação da parte superior do trato gastrointestinal – composta pelo esôfago, estômago e duodeno (primeira porção do intestino delgado). Popularmente conhecida apenas por endoscopia, o exame é comumente realizado para diagnosticar doenças e investigar quadros de dor e desconforto abdominal.

O exame é feito com o paciente sedado e, através da orofaringe, é introduzido um tubo fino e flexível, com uma câmera acoplada na ponta – chamado de endoscópio. Com ele, o médico endoscopista registra imagens que vão direcionar o diagnóstico e tratamento adequados. Dispondo de todos os equipamentos adequados e profissionais qualificados, o procedimento é altamente seguro e bem tolerado.

Para que o procedimento seja realizado com sucesso, é importante que o paciente siga todas as recomendações prévias, além de realizá-lo em uma clínica de excelência comprometida com o bem-estar e saúde do paciente, como é o caso da Clínica Colono, com uma equipe altamente capacitada e equipamentos esterilizados e de qualidade.

Para que serve a endoscopia

A EDA (Endoscopia Digestiva Alta) é um procedimento indicado para diagnosticar uma série de doenças, inclusive casos de doenças malignas ou pré-malignas. O exame é feito com o auxílio de um aparelho chamado endoscópio – um tubo fino e longo, bem flexível, que é introduzido pela boca e pode chegar até a primeira porção do intestino.

As câmeras dos endoscópios reproduzem imagens em alta definição e podem até filmar em HDTV. O endoscópio também têm a capacidade de aspirar e injetar água para facilitar a visualização adequada dos órgãos estudados.

Com a endoscopia é possível investigar e diagnosticar uma série de situações clínicas:

  • Dor ou desconforto no abdômen superior
  • Avaliação e acompanhamento de doença do refluxo gastroesofágico
  • Rastreio de câncer em pacientes com sinais e sintomas sugestivos e/ou fatores de risco conhecidos.
  • Náuseas e vômitos persistentes
  • Quadros de sangramentos do trato gastrointestinal
  • Anemia por carência de ferro

A endoscopia permite também a coleta de pequenos fragmentos de tecido para análise laboratorial, em casos selecionados, como na avaliação de gastrites, úlceras e pesquisa de infecção por bactéria no estômago.

Como é feita a endoscopia?

Para a realização de um exame de endoscopia com qualidade, é necessário realização do preparo adequadamente, conforme todas orientações e recomendações, de modo a obter resultados com a máxima eficiência e o mínimo risco.

O paciente deve permanecer em jejum para sólidos por 8 horas que antecedem o exame,

e posteriormente, jejum absoluto (até mesmo água) pelas 4 horas que antecedem o exame. O estômago deve permanecer vazio para uma adequada visibilização durante o exame, e evitar vômitos e consequente broncoaspiração.

A realização do exame geralmente é realizada com uma sedação leve, administrada via punção venosa.E,é aplicado também um spray anestésico na garganta para o paciente tolerar melhor a passagem do endoscópio.

Para analisar o estômago adequadamente, é necessário que ele esteja cheio de ar, insuflado pelo endoscópio. Isso pode causar a sensação de peso na barriga e vontade de arrotar, mas procure evitar expulsar o ar do estômago até o final do exame, se possível.  Um exame habitual dura em média 10 a 20 minutos, sendo muito bem tolerado pela maioria das pessoas.

Após sedado, o especialista inicia o exame introduzindo o tubo para captar as imagens.

Em caso de identificação de nódulos e pólipos, podem ser retiradas amostras para análise laboratorial; em casos de sangramento, o endoscópio pode ser útil para realização de eventuais cauterizações para o controle do mesmo.

A endoscopia digestiva alta é um altamente exame seguro. No entanto, como todo ato médico, ela não é isenta de riscos.  A complicação mais frequente é a flebite (dor e inchaço no trajeto da veia puncionada) e rinite secundária à administração de oxigênio. Complicações mais sérias como perfuração e sangramento são muito raras em exames diagnósticos.

Após o exame, o paciente permanece em observação por um curto período de tempo – até que os efeitos da sedação desapareçam. É fundamental que o paciente esteja acompanhado para realizar o exame e ao retornar a seu domicílio, pois não é recomendado dirigir, trabalhar ou exercer atividades de alta complexidade como operar máquinas, após o exame.

Se você precisa realizar uma endoscopia digestiva alta, conte conosco. Nossa clínica foi criada com o compromisso em proporcionar um ambiente seguro, a favor do seu bem-estar e da sua saúde. Entre em contato e agende uma consulta!

Deixe uma resposta