Câncer colorretal: A importância de entender os grupos de riscos

01/09/2017

Câncer e prevenção

Nos dias atuais, os cânceres são cada vez mais prevalentes na população, que vem morrendo cada vez menos por causas infecciosas e mortes evitáveis, e cada vez mais por doenças crônico-degenerativas. Devido a isso, é sabida a importância do planejamento de ações de promoção à saúde e detecção precoce, principalmente no que diz respeito à atenção oncológica.

Muito frequentemente, o diagnóstico do câncer ocorre nas fases mais tardias da doença, piorando o prognóstico, dificultando seu tratamento e aumentando as taxas de mortalidade.

Devido a isso, é de fundamental importância a prevenção dessas doenças, bem como o diagnóstico precoce, diminuindo as conseqüências dessa enfermidade e melhorando a qualidade de vida das pessoas acometidas.

Um dos componentes que mais auxilia na detecção precoce de um câncer, bem como de qualquer doença, é o conhecimento dos fatores de risco para o seu desenvolvimento.

Como as causas do câncer são diversas, e, comumente, muitos fatores estão envolvidos na geração da doença, é difícil determinar suas causas de forma direta e específica.

Desse modo, para reduzir o impacto do câncer, deve-se reduzir primeiro a ocorrência de fatores de risco que podem ser alterados, como fatores relacionados ao estilo de vida e ao ambiente, bem como garantir o acesso a programas de rastreamento e diagnóstico precoce, para que se possa chegar prevenir a maior parte dos casos ou, ao menos, a escolha dos tratamentos mais adequados.

Câncer Colorretal

O Câncer Colorretal é a quarta causa de morte em nosso país, segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA).

Essa tendência segue a tendência mundial de aumento da prevalência dessa doença em países mais desenvolvidos e em desenvolvimento, principalmente devido ao estilo de vida de sociedades mais economicamente desenvolvidas, acompanhando as tendências mundialmente observadas de urbanização, sedentarismo, obesidade, dieta rica em alimentos processados e hipercalóricos, aumento da longevidade e redução da mortalidade por causas evitáveis, como acidentes e doenças infeto-contagiosas.

Atualmente é um dos tipos de câncer que mais mata no mundo todo, e é considerado um problema de saúde pública já que sua prevalência é crescente, no Brasil e no mundo.

Fatores de Risco do Câncer Colorretal

  • Fatores genéticos: estão associados às formas familiares da doença. Com o advento de novas tecnologias, foi possível a realização de pesquisas e estudos que detectaram diversas condições genéticas que são fatores de risco não modificáveis ao aparecimento do Câncer Colorretal.

  • Idade: fator de risco mais importante no Câncer Colorretal esporádico. O aparecimento da doença aumenta significativamente em pessoas acima dos 40 anos, aumentando progressivamente a cada década. O avançar da idade, associado a condições genéticas que favorecem o aparecimento da doença, aumentam em muito o risco de seu desenvolvimento.

  • Hábitos de vida: tais como sedentarismo, obesidade, dieta inadequada (consumo elevado de carne vermelha e embutidos, por exemplo), tabagismo e etilismo.

  • Outros fatores: utilização de determinados medicamentos, algumas doenças, como diabetes mellitus e hiperinsulinemia, e até fatores geográficos.

Grupos de risco

Baseados nos fatores de risco acima relacionados, foram criados grupos de risco, divididos da seguinte forma:

  • Baixo risco: indivíduos abaixo de 50 anos.

  • Risco moderado: homens e mulheres acima de 50 anos. Geralmente direciona-se para esse grupo os programas de detecção precoce da doença;

  • Risco alto: histórico familiar positivo para a doença, achados na colonoscopia, como adenomas ou câncer colorretal prévio, e indivíduos portadores de doença inflamatória intestinal crônica, como retocolite ulcerativa ou doença de Crohn de longa duração (mais de oito anos de diagnóstico);

  • Risco muito alto: histórico positivo de câncer de transmissão hereditária na família (síndromes hereditárias), sendo as mais comuns polipose adenomatosa familiar (PAF) clássica ou atenuada, síndrome de Peutz-Jeghers e síndrome de polipose juvenil.

Rastreamento do Câncer Colorretal

Devido à alta relevância e prevalência do Câncer Colorretal, existe a necessidade de um programa bem definido para rastreamento objetivando a detecção precoce da doença. Para tal, é fundamental se ter o conhecimento dos fatores de risco de cada paciente.

Em relação ao exames utilizados para rastreamento e diagnóstico, pesquisas demonstraram que a colonoscopia reduziu a incidência e a mortalidade do câncer colorretal.

Diversos pacientes também se beneficiam de uma estratégia que intercale colonoscopias em intervalos mais longos com a combinação de pesquisa de sangue oculto nas fezes anual e retossigmoidoscopia periódica.

Métodos utilizando biologia molecular ainda precisam ser mais bem investigados e ter sua utilidade num emprego rotineiro para rastreamento validada.

A Sociedade Brasileira de Coloproctologia, juntamente com Instituto Nacional de Câncer, Colégio Brasileiro dos Cirurgiões e outras sociedades médicas, recomendam programas de rastreamento para Câncer Colorretal da seguinte forma:

  • Indivíduos de risco moderado devem realizar anualmente pesquisa de sangue oculto nas fezes e retossigmoidoscopia a cada cinco anos. A partir dos 60 anos, realizar colonoscopia a cada 10 anos. Alternativamente o enema opaco pode ser empregado, apesar de se tratar de um exame em desuso.

  • Indivíduos de risco elevado devem iniciar rastreamento aos 40 anos, incluindo colonoscopia.

  • Para os indivíduos de risco muito elevado, o programa de rastreamento deve ser individualizado.

  • Indivíduos com antecedentes familiares de neoplasia colorretais, é recomendável iniciar uma rotina de rastreamento aos 50 anos ou dez anos mais jovem que o caso mais jovem na família, o que ocorrer antes.

O combate ao Câncer Colorretal é feito principalmente através da detecção precoce, que aumenta a possibilidade de cura, permite o pronto diagnóstico e a melhor definição do tratamento. Além disso, torna possível a remoção de pólipos em tempo hábil para evitar a progressão da doença e reduzir a sua incidência e mortalidade.

Na Colono, possuímos uma equipe especializada e tecnologias de ponta aplicadas na detecção e no tratamento do Câncer Colorretal. Marque uma consulta e não perca tempo. Estamos juntos no combate ao Câncer Colorretal!

Saiba mais sobre o câncer colorretal.

Deixe uma resposta